Casa do Chico Poeta

casachicopoetaeditadophotoshop

 

A CASA DO CHICO POETA

A Casa do Poeta ou do Chico Poeta, se constitui a porta de entrada do Site onde, pretende mostrar suas atividades como escritor, poeta, pesquisador, trovador, radialista, jornalista e político. Nasce atendendo pedidos de vários pessoas e amigos que sintonizam suas sensibilidades na exposição sentimental e existencialista do poeta e no inconformismo do ser humano preocupado com o comportamento fugitivo dos princípios Cristãos que em seu pensar, deveriam nortear o comportamento dos seres em suas inter-relações. Nasce na carga de insatisfação com o comportamento das autoridades em todos os setores que desprezam o compromisso da fidelidade com a vida e deságuam no mar das corrupções, atrofiando a vida dos seus semelhantes, com desvios de recursos destinados à saúde, podam os sonhos dos jovens malversando recursos para educação enfim em todos os setores da vida quer pública ou privada. Pois que a corrupção também é feita com a negação do respeito até mesmo na área das relações comuns, alias muito mais comum.

A Casa do Poeta nos permite em sua página inicial visualizar uma cena condenada extinção, ela existe ainda em muitos estados nordestinos, são casas de barro, no Maranhão cobertas de palhas do Babaçu, palmeira abundante no estado, em outros, além das palmeiras existem também em grande proporção cobertas com cascas de árvores. O governo iniciou um processo de extermínio das casas de palhas e em grande parte do estado já não se tem as pequenas estruturas de residência dos homens pobres, o que parece ser uma fuga  da mostra de um quadro de pobreza da população mais humilde, posto que parecem ocas, lembrando um quadro de analfabetismo do período do governo militar quando os programas de educação foram duramente atacadas, criando-se o Mobral e o ensino supletivo, onde era possível fazer o ginásio em um ano ou mesmo os três anos do ensino médio no mesmo período.

Essa sub condição de moradia tem seus dias contados, e embora pareça ser uma medida para mascarar a pobreza, traz consigo uma melhoria para o  homem que durante uma centena de anos viveu com sua família o desconforto e a insegurança da moradia, não tendo sequer direitos sobre a propriedade, que ao ser deixada, não podia ser vendida, pois  não lhe pertencia  já que foi construída na terra do patrão a ele  pertencia. Virava tapera e de seu era apenas a lembrança do que um dia chamou de lar.

A foto da Casa do Chico Poeta traz algumas particularidades culturais:

01 – Palmeira de babaçu, é dela que se extrai o óleo para alimentos e mais de 120 derivados.

02 – Pião roxo, planta que é cultivada por grande parte da população para “tirar mau olhado e combater a inveja”. Está em grande parte das casas  bem na frente.

03 – Galinha pedrês, parte da culinária tradicionalmente nordestina, criada com milho e restos de comida, muito apreciada no prato (galinha ao molho pardo e galinha caipira), essa ultima preferida das parídas.

04 – Cerca feita de toras de madeira lascada, muito usada junto assim como as cercas de pau a pique que são madeiras finas parecidas com cajado.

05 – Debulho, uma lona amarela em frente da casa onde se visualiza dois sacos de feijão verde e um monte do mesmo pronto para a debulhação, ou seja, retira do feijão da casca.

 

Casas de palha e barro 

Comentários fechados.